Espiritismo

Fraternidade

Muita gente ainda se confunde ao tentar definir o que é Espiritismo. Para muitos, Espiritualismo é a mesma coisa que Espiritismo, o que não é verdade. Toda religião que acredita em algo (além da matéria) após a morte é considerada espiritualista. Por exemplo, católicos, budistas, umbandistas, espíritas e evangélicos são espiritualistas, mas só é espírita aquele que segue a doutrina revelada pelos espíritos superiores, por meio de médiuns, e organizada (codificada) pelo educador francês, Allan Kardec, a partir de 1857.

Para os espíritas, Deus é o criador de tudo o que existe. Além do mundo dos homens existe o mundo dos Espíritos, onde sobrevivem as almas dos que morreram. Uma única existência não seria suficiente para que o espírito tivesse tempo de aprender tudo. A reencarnação é o principio da pluralidade das existências.

A Lei de causa e efeito é outro ponto importante da doutrina. Segundo ela, por ter livre-arbítrio para agir, o espírito é responsável por seus atos - Deus não castiga nem perdoa. O plantio é livre, mas a colheita é obrigatória. As reencarnações são necessárias para reconciliações, reparações de erros e evolução (moral e intelectual).

As relações dos espíritos com os homens são constantes e sempre existiram em todas as épocas. Mas não é por isso que se deve pensar que ao entrar num centro espírita, como num passe de mágica, será possível ver ou conversar com quem já morreu (desencarnou). O trabalho de uma casa espírita é sério e deve ser respeitado, pois os desencarnados merecem o mesmo respeito que os encarnados.

Os espíritos são cristãos, ou seja, acreditam no Cristo e O seguem como maior exemplo. Como cristãos, querem o bem do planeta e a paz entre os homens. E você? Já pensou que existe vida após a morte? Já imaginou que um dia vamos reencontrar nossos amigos e familiares que já desencarnaram? Já pensou em estudar o Espiritismo e chegar às próprias conclusões?

E o fraternidade como surgiu?

Em 2005 o Centro Espírita Fraternidade completa 100 anos e é considerado um dos mais antigos centros espíritas do interior paulista em pleno funcionamento. Sua fundação aconteceu no dia 23 de novembro de 1905, sob a presidência de José Flávio Martins Bonilha.

O Fraternidade hoje é resultado do esforço de todos os seus trabalhadores, principalmente aqueles que há 100 anos tiveram a coragem de abraçar a Doutrina Espírita, quando muitos atravessavam a rua e mudavam de calçada só para não passar em frente a um centro espírita.

O Centro conta com aproximadamente 230 trabalhadores na área espiritual e dezenas de orientadores atendendo mensalmente cerca de 1.200 pessoas. Há sete anos, um novo anexo, com cinco andares, tornou o centro mais espaçoso para atender os frequentadores.

A promoção humana é o principal objetivo dos trabalhos desenvolvidos pelo Fraternidade e acontece em três setores: escola, área espiritual e assistência social.

O Fraternidade é mantido por doações de associados e contribuições esporádicas de pessoas que, muitas vezes, preferem se manter no anonimato. Outras formas de arrecadar verba para a manutenção dos trabalhos são os eventos promovidos periodicamente, como bazares e promoções, além da renda provinda da livraria espírita que funciona no local.